Nota Pública

Tags:

NOTA PÚBLICA DO CONSELHO DIRETOR DA ESS SOBRE DENÚNCIAS DE PROBLEMAS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS EM REDE SOCIAL
 
            O Conselho Diretor vem a público manifestar sua preocupação com o uso inadequado das redes sociais através das quais parte de nosso corpo discente vem denunciando problemas de interação entre professores e estudantes. Não se trata de condenar a livre manifestação que o espaço possibilita. As redes sociais devem ser reconhecidas como meios legítimos de veiculação de opiniões e posições democráticas as mais diversas. Apenas nos compete observar que manifestações de caráter acadêmico devem ser, preferencialmente, levadas aos espaços político-acadêmicos adequados e consolidados na ESS/UFRJ: as instâncias dos Departamentos, o Conselho Departamental e a Congregação.
 
            O que nos preocupa é o uso das redes sociais para julgamentos precipitados da conduta dos docentes em sala de aula, valendo-se de críticas raivosas e desrespeitosas dirigidas a integrantes da nossa comunidade acadêmica. Tais procedimentos devem ser repudiados tendo em vista que destoam não apenas da tradição democrática da nossa Unidade de Ensino que sempre cultivou o debate público, franco e fraterno, mas também do projeto pedagógico do nosso Curso, cuja concretização depende da nossa capacidade de enfrentar, com respeito e responsabilidade os problemas cotidianos da formação.
 
            Em nosso projeto pedagógico o aluno é concebido como partícipe ativo de sua formação, e, assim sendo, não pode ter o seu papel reduzido à mera apropriação de conhecimentos “em sala” ou de experiências no “campo de estágio”. Ao contrário, deve cultivar a inquietação intelectual o que exige envolver-se numa efetiva vivência na comunidade acadêmica, participando não só das diversas atividades existentes na Universidade (de extensão, monitoria, e iniciação científica), mas, sobretudo, dos diversos colegiados da UFRJ. E há que se levar em conta que a nossa ESS é pródiga na oferta destes espaços colegiados, nos quais a representação discente tem voz e voto.
 
            Também ao docente cabe, de acordo com esse projeto, uma difícil tarefa: a de exercer uma função diretiva na formação, que só pode ser eficientemente desempenhada se o professor, para além de comprometer-se com a produção do conhecimento em sua área, se põe numa relação aberta e disponível em face das inquietações dos estudantes com os quais trabalha.
 
Resta-nos óbvio que o desenvolvimento pedagógico deste projeto - o cultivo da autonomia intelectual discente e o papel formativo e diretivo do docente - não pode dar-se sem a constituição do diálogo mutuamente respeitoso entre professores e estudantes. Esse é o caminho para viabilizar não apenas a livre manifestação individual mas, sobretudo, a responsabilidade  coletiva de todos na busca de saídas para casos que envolvem a vida acadêmica. Essa será a solução que a ESS/UFRJ buscará dar aos problemas que envolvem professores e alunos. Só poderemos enfrentá-los democraticamente se ambos os sujeitos, docentes e discentes, puderem exprimir seus pontos de vista. E foi esse o encaminhamento que demos a denuncia publicadano facebook no dia 14 de março de 2013, o que permitiu desfazer o mal entendido que as manifestações nas redes sociais só fez aumentar.
 
      Se por um lado as redes sociais, como meio de comunicação instantânea, podem ampliar informações e fortalecer mobilizações legítimas em torno de bandeiras históricas das lutas de setores sociais progressistas que não encontram na organização monopolista dos meios de comunicação de massa liberdade de expressão, por outro, quando usados como substitutos dos espaços de representação política tais redes podem se voltar contra a legitimidade de projetos coletivos, tornando-se ambiente privilegiado para a despolitização e até mesmo para uma política de difamação que só prejudica a todos nós (alunos, professores e técnico-administrativos em educação).
 
            A todos deve restar a certeza de que as instâncias diretivas dessa Unidade – a Direção da ESS, bem como a Direção Adjunta de Graduação e de Pós-graduação – permanecem abertas a críticas e sugestões.
 
 
Rio de Janeiro, 06/05/13
 
Conselho Diretor da ESS da UFRJ